terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

MSC 2016

A CRISE ECONÔMICA NÃO PODE JUSTIFICAR A AUSÊNCIA DO BRASIL DE DEBATE SEGURANÇA GLOBAL

0,,15674426_404,00

O diplomata Antonio Patriota foi o primeiro brasileiro a falar na CSM
Nos últimos dois anos, o Brasil foi, dos dez maiores economias do mundo, o único país sem um único participante na Conferência de Segurança de Munique. Igualmente reveladora, a América Latina foi a única região sem qualquer representação durante os debates. A participação do Brasil na próxima conferência em fevereiro de 2016 é crucial para evitar a exclusão do país do debate global sobre como enfrentar os desafios de segurança – e para evitar que as regras e normas que irão moldar o século 21 será feita por um pequeno grupo de atores tradicionais sozinho.
A Conferência de Segurança de Munique, que se realiza anualmente desde 1963, é o fórum independente mais importante do mundo para os formuladores de políticas internacionais de segurança de todo o mundo. Em vez de assinar documentos oficiais ou de um comunicado final, os líderes vêm a Munique para a diplomacia de bastidores discreto. Reuniões informais longe dos olhos do público são usados ​​para explorar oportunidades para as negociações desafios em relação às autorizações de segurança complexas, que vão desde a guerra civil na Ucrânia e Iêmen para a Síria ea crise global dos refugiados. Em qualquer dado ano, cerca de vinte chefes de Estado e de Governo, cinqüenta ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa e noventa e delegações governamentais participar.
Semelhante ao Fórum Econômico Mundial (WEF) no âmbito econômico, é na Conferência de Segurança de Munique, onde líderes buscam, nas suas observações oficiais, definir a agenda da segurança global. Em 2003, durante um painel de discussão, da Alemanha ministro das Relações Exteriores, Joschka Fischer, famosamente disse Donald Rumsfeld, em uma mistura de alemão e Inglês, que ele foi “não está convencido” de argumento dos Estados Unidos que guerra contra o Iraque era necessária. O confronto verbal se tornaria um dos momentos definidores do rift entre a Alemanha e os Estados Unidos no período de preparação para a Guerra do Iraque. Ele também foi um sinal inequívoco de que a Alemanha, juntamente com a França, assumir um papel de liderança na coalizão anti-guerra.
Na conferência de 2007, o presidente da Rússia, Vladimir Putin fez um discurso forte redigida e muito lembrado sobre os males da unipolaridade, o que levou a uma resposta afiada por John McCain, que se tornaria o candidato presidencial republicano, um ano depois. Seis anos mais tarde, no último dia da conferência, o ministro das Relações Exteriores iraniano Ali Akbar Salehi expressou a vontade de seu país para aceitar oferta negociada dos EUA sobre o programa nuclear iraniano. Em 2014 e 2015, as discussões importantes ocorreram a respeito do conflito na Ucrânia e na Síria. Simplificando, nenhum país ou organização interessado em jogar um papel na discussão sobre os desafios de segurança globais podem pagar para não ser na Conferência de Segurança de Munique.
Em 2016, a guerra contra o Estado islâmico ea crise global dos refugiados aparecerá grande durante os debates na Baviera. Juntos, eles representam atualmente o desafio de segurança global mais urgente e complexo que impossivelmente pode ser resolvido por um pequeno número de países ricos sozinho. Mais importante ainda, as decisões tomadas vis-à-vis a crise na Síria irá afetar futuros conflitos e da forma como a comunidade internacional reage a eles.
E, no entanto, nos últimos dois anos, o Brasil foi, dos dez melhores economias do mundo, o único país sem um único participante na Conferência de Segurança de Munique. Igualmente reveladora, a América Latina foi a única região sem qualquer representação durante os debates. A participação do Brasil em fevereiro de 2016 é crucial para evitar a exclusão do país do debate global sobre como enfrentar os desafios de segurança – e para evitar que as regras e normas que irão moldar o século 21 será feita por um pequeno grupo de atores tradicionais sozinho.
Ausência do Brasil a partir dos debates em Munique é parte de uma tendência preocupante. Quando se trata dos temas dominantes nos assuntos globais nos últimos doze meses, como a ascensão do Estado Islâmico, a crise global dos refugiados ou a guerra civil em curso na Ucrânia, o Brasil tem raramente foi além do papel de um espectador, cedendo airtime aos poderes tradicionais. No entanto, Brasília poderia ser muito mais pró-ativa na discussão global sobre como tratar eficazmente os desafios listados acima, e influenciar positivamente a dinâmica – como tem feito, nos últimos anos, no domínio da intervenção humanitária, o governo da Internet, manutenção da paz, resolução de conflitos e defesa da democracia. O novo governo do Canadá tem mostrado recentemente que não é necessário marcar a ser uma grande potência a ter um impacto na discussão global sobre refugiados. Isto requer, em primeiro lugar, estar na sala quando tais coisas são discutidos. No entanto, quando se trata de política de segurança internacional, o governo do Brasil atualmente não parece considerar famoso ditado de Woody Allan que “90 por cento da vida é simplesmente mostrando-se.”
Um participante brasileiro, como o ministro da Defesa, Aldo Rebelo, ministro dos Negócios Estrangeiros Mauro Vieira, Conselheiro Especial Marco Aurélio Garcia, o embaixador Antonio Patriota (que estava em Munique, em 2013, como ministro das Relações Exteriores) ou a presidente Dilma Rousseff a si mesma poderia fornecer uma perspectiva valiosa sobre os desafios de segurança da Global Sul. Ainda mais preocupante, a ausência do Brasil envia uma mensagem clara para os outros participantes de que o país não procura um lugar na mesa quando os desafios do mundo de segurança mais complexos são debatidas. Isso prejudica a campanha do Brasil por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU: o Brasil foi, em 2014 e 2015, o único membro do G4 que não tinha qualquer representação.
Atual crise econômico do Brasil não pode justificar tal indiferença. Afinal, o que é o uso de um país que só está pronto para ajudar a enfrentar os desafios globais, quando a economia está indo bem? Na verdade, escalando para trás as iniciativas de política externa como uma reação à crise econômica subestima como a política externa pode ajudar a economia: Grandes empresas como a Airbus, Boeing e Raytheon (a maior empresa de defesa americana) estão sempre presentes em Munique para a rede com figuras-chave o estabelecimento de defesa, enquanto Embraer e outros jogadores brasileiros na indústria de defesa não são.
O nosso debate de hoje global está fora de equilíbrio, e já não podemos resolver desafio global por apenas confiar na sabedoria de alguns países. As falhas dramáticas de enfrentar os desafios-chave ao longo das últimas décadas são indicadores claros de que novos atores, como o Brasil deve contribuir para encontrar soluções significativas. Meramente enviando um decisor político sênior para Munique em fevereiro é, naturalmente, pouco mais do que um símbolo – ainda um passo importante, no entanto, mostra que o Brasil, apesar de sua crise econômica e política, está consciente das suas responsabilidades globais.

Fonte: Post-West World



Nenhum comentário:

Postar um comentário